13 de abril de 2021

Virtual Challenge eSports

O seu desafio no Automobilismo Virtual é aqui!

Wilson Neto supera Del Porto e vence estreia da VC Indy Bandsports

Por Ricardo Arcuri

Que corrida foi essa em Michigan, hein? Um clima perfeito para promover a mudança de ares que se iniciou na ultima quinta-feira, a corrida de abertura do anual de Indy com setup aberto. E, apesar de ser algo consideravelmente novo, foi bem próximo do que esperava.

Se usarmos a corrida de semana passada como referencia, nesta mesma pista de Michigan, veríamos uma corrida cheia de acidentes. Algo logico, visto que a pista com volta pé embaixo o tempo todo, faz todo mundo andar junto (o famoso e temido pack racing da vida real) e se torna natural que aconteçam acidentes. Mas depois da experiência de semana passada, os pilotos entenderam melhor como funciona o carro e esse acerto novo, que não é igual para todos, e a corrida rolou menos acidentada. Só que isso não significa que não teve acidentes e emoção ate a cabeça.

Já começou logo na largada, com os pilotos não segurando a ansiedade e causando acidente logo nos primeiros metros de prova. Plinio Ferreira, Guto de Carvalho, Bruno Miranda e Pedro Gomes se envolveram em um pequeno Big One e já saíram da prova. A segunda largada foi bem mais tranquila e se manteve sem acidentes ate a volta 12, com Cauê Lima batendo na saída da curva 2. Alias, os bumps da curva, somado ao muro Hebe Camargo, que adora dar uma beijinho e, diferente da apresentadora, ninguém acha “uma gracinha”, foram protagonistas de vários acidentes. Foi mais que o “7 a 1 de cada dia”.

Em determinado momento da prova, teve em torno de 50 voltas sem interrupções e pudemos observar como os carros se comportam em stints completos, da mesma forma como os pilotos ponteiros trabalharam a gestão de consumo de combustível. Falo disso, pois a volta desse pit stop privilegiou quem economizou mais e, por isso, ficou menos tempo no pit stop. Para uma situação de pits em bandeira verde, isso pode ser vital para o resultado de uma corrida.

A 11 voltas do final, uma batida por “efeito sanfona” causou mais uma amarela, porem causada pelo líder Gil Ribeiro, por ter “tirado o pé” na hora que precisava acelerar. Isso enganou os pilotos atrás e causou uma batida, que envolveu dois carros. Por isso, Gil Ribeiro recebeu uma punição de stop and go e perdeu a chance de disputar a vitória.

Para terminar a prova, a novidade que não poderia faltar: uma amarela tardia, entre Romar Arns e Rodrigo Franzoni, e tivemos a prorrogação. Essa regra herdada da NASCAR permite que, por três vezes, a corrida não termine em amarela e possa se estender, para que se tenham duas voltas em verde. No final Wilson Neto e Victor Del Porto disputaram a vitoria nas duas voltas finais, vencendo o primeiro por uma margem de apenas 25 milésimos de segundo!!! Estes foram seguidos de Paulo Vinicius fechando o pódio, Augusto Tristão e Thales Toledo fechando o Top 5. Apenas 10 pilotos terminaram a prova, todos eles na volta do líder.

Aconteceu bastante coisa, né? Então se preparem, porque é apenas a primeira de 20 etapas do Anual de Indy Bandsports. Nos encontramos daqui a duas semanas, dia 4 de março, as 21 h, no sempre excelente oval de Iowa. Até lá!!!